Notícias

Fratura na Coluna por Queda: como tratar

A fratura na coluna por queda de uma certa altura ou mesmo de uma posição em pé é uma das causas mais comuns.

Em idade avançada, a osteoporose constitui um fator de risco, onde a fratura pode ser espontânea, logo, sem traumatismo. Geralmente, é a junção entre as vértebras torácicas e a lombar que é afetada.

Segundo o ortopedista especialista em coluna, Dr. Aurélio Arantes, no caso de uma suspeita de fratura na coluna vertebral, é necessário procurar um especialista para diagnosticar e avaliar se houve deslocamento das vértebras.

No entanto, às vezes, as pessoas não sabem como identificar uma fratura na coluna, e por isso, preparamos um pequeno guia com tudo o que você precisa saber sobre fratura na coluna vertebral.

Como é a anatomia da coluna vertebral?

Antes de saber como tratar uma fratura na coluna por queda, é importante ter uma ideia melhor de como é a anatomia da coluna vertebral.

Então, a coluna é composta por 24 vértebras:

  • 7 vértebras cervicais (na altura do pescoço);
  • 12 vértebras torácicas ou dorsais (na altura do tórax);
  • 5 vértebras lombares (na parte de baixo das costas).

Ela termina embaixo com o sacro e o cóccix.

Além disso, cada vértebra é constituída por um corpo vertebral, na frente, e um arco vertebral, na parte de trás.

Já a medula espinhal, passa entre o corpo e o arco.

Quais os tipos de fratura na coluna?

As fraturas na coluna são classificadas conforme os mecanismos de trauma, e podem ser:

Fratura por compressão

É muito frequente em pacientes com osteoporose ou pessoas que apresentam fragilidade óssea associada a uma doença.

Fratura por explosão

Muito comum em acidentes automobilísticos, e ocorre quando há o esmagamento da vértebra, e pode ser quebrada em vários lugares.

Em determinados casos, fragmentos ósseos podem comprimir o canal vertebral, onde está localizada a medula espinhal e raízes nervosas.

Fratura por flexão-distração

Também comum em acidentes de carro, que é quando o corpo é lançado para a frente, provocando uma flexão da coluna e em seguida, uma desaceleração.

Além da parte óssea, os ligamentos da coluna são lesionados.

Fratura-luxação

O último tipo de fratura na coluna é a fratura-luxação, caracterizada por um desalinhamento importante da coluna.

Nesse caso, além da lesão óssea, a coluna é deslocada.

Fratura na coluna por queda: quais os sintomas?

Quando a fratura na coluna por queda está localizada nas vértebras cervicais, causa principalmente dor no pescoço.

Logo, se você não sente dor no pescoço, a fratura não é na vértebra cervical.

O maior problema dessas fraturas é que são instáveis, ou seja, há o risco da vértebra se deslocar, o que pode afetar os nervos vizinhos e a medula espinhal.

Se um nervo é afetado, dores podem ser sentidas, formigamentos ou uma paralisia em um ou nos dois braços.

Uma lesão na medula espinhal provoca uma paralisia da parte do corpo sob a fratura, e em casos extremos, o deslocamento da vértebra pode seccionar completamente a medula espinhal, que é chamada de lesão medular.

Já uma fratura de uma vértebra torácica ou lombar causa uma dor local que irradia para os músculos das costas. Trata-se de uma fratura de assentamento, que é normalmente mais estável.

Nesse caso, não há o risco de descolocamento da vértebra, mas se houver uma compressão da raiz nervosa, a dor pode irradiar para o tórax ou para a perna.

Resumindo, os principais sintomas são:

  • Dor aguda local;
  • Forte limitação da mobilidade;
  • Se os nervos ou a medula espinhal são atingidos, efeitos secundários neurológicos como paralisias, dores mais intensas ou problemas sensoriais aparecem.

Fratura na coluna por queda: qual a diferença entre fraturas instáveis e estáveis?

As fraturas instáveis são lesões que se caracterizam por uma deformidade na coluna ou um déficit neurológico associado, como compressão do canal por fragmento.

No caso de fraturas instáveis, geralmente o tratamento conservador não consegue recuperar a função normal da coluna vertebral.

Já as fraturas estáveis, ao contrário das instáveis, não provocam deformidades na coluna nem lesões neurológicas associadas.

Na maioria dos casos, o tratamento conservador apresenta uma resposta satisfatória.

Como diagnosticar fratura na coluna por queda?

O médico ortopedista especialista em coluna avalia o histórico clínico, e normalmente solicita radiografias para verificar se houve deslocamento das vértebras.

Em caso de uma dor que irradia e sintomas de paralisia, geralmente ele pede uma tomografia ou ressonância magnética, ou um exame neurológico mais aprofundado.

Por exemplo, a ressonância magnética permite visualizar melhor as estruturas neurológicas, ligamentares e discais, além de auxiliar entre fraturas agudas ou crônicas.

O que fazer?

Se você quer ajudar alguém que sofreu um acidente ou uma queda, recomenda-se não movimentar a vítima.

Dessa forma, você não provoca outras lesões.

Também não movimente a cabeça da pessoa, e se possível, ligue para o serviço de emergência.

Fratura na coluna por queda: quais os tratamentos?

Uma fratura na coluna por queda quando se trata de uma vértebra cervical, necessita uma hospitalização.

No início, uma tração pode ser feita sobre a cabeça, e a pressão sobre o tecido nervoso diminui. Em seguida, é necessária uma cirurgia para fixar a vértebra quebrada.

Já o tratamento de fratura de uma vértebra torácica ou lombar é um princípio conservador. Isso significa que não há a necessidade de uma intervenção cirúrgica, mas requer imobilização e repouso.

Às vezes, o ortopedista em coluna recomenda o uso de um dispositivo que impede os movimentos de uma parte da coluna vertebral.

Só é feita a cirurgia em caso de fratura instável e com risco de lesão na medula espinhal.

Se uma osteoporose for diagnosticada, ele pode prescrever medicamentos.

Como é a recuperação de cirurgia de fratura na coluna por queda?

O tempo de recuperação vai depender da extensão da intervenção cirúrgica, já que pode ser minimamente invasiva ou não.

No caso de uma cirurgia minimamente invasiva, o processo de reabilitação se baseia principalmente em sessões de fisioterapia a fim de recuperar a força muscular, além de exercícios posturais.

Por outro lado, cirurgias maiores exigem um tempo maior de repouso e um acompanhamento regular de um ortopedista de coluna, além de exercícios de fisioterapia.

Conclusão

Agora que você já sabe tudo sobre fratura na coluna por queda, lembre-se da importância de procurar um profissional especializado para o correto diagnóstico e o tratamento mais adequado.

Sobre a autora

Patrícia Andrades

Patrícia Andrades

Olá, meu nome é Patrícia Andrades, adoro moda e trabalho em uma empresa como administradora. Nas horas vagas, gosto de escrever no meu blog!

Sempre tive muita dificuldade em perder peso desde criança. Quando aos 27, decidi dar a volta por cima e começar minha transformação. Hoje eu ajudo centenas de milhares de mulheres a atingirem mais qualidade de vida!

Deixe um comentário

/* ]]> */